• Idiotas Felizes

GÊNERO: Poesia
FORMATO: 14X22,5 | ANO: 2018
PÁGINAS:  104 | Pólen Bold 90gr


SINOPSE:


O poeta rasga a metalinguagem poética, para ele, sair pelo mundo a procura da poesia é como personificar-se em Dante para descender ao inferno. Nesta procura obscura o poeta ressuscita os versos dos que estão mortos, mas que já amaram, porque a poesia sincera não finge felicidade, pelo contrário, a alegria reside em justamente não se fingir nada, neste sentido, o poeta é enfático sobre sua preferência a sorrisos espontâneos, breves, mas que são diferentes dos sorrisos cansados e forçados. Em relação a uma imaginada pergunta do “Por que se fazer poesia?” o autor responde inclinando-se a sua tão explorada temática do amor, ele afirma, em “Geografia dos Espaços”, que não poderia ser um geógrafo, porque não é capaz de entender a ambivalência de ao mesmo tempo um peito ser estreito e profundo, de no curto espaço do abraço poder caber o mundo, assim só poderia ser poeta. Esta hiperbólica ilustração acerca do amor, continua exasperada, em poemas como “Milamores”, no qual o autor diz que a quantidade de amor estocada no seu peito pode fazer o coração estourar em mil pedaços, mas “quem sabe o estouro feito esses mil pedaços sejam perfeitos para guardarem tantos e tantos amores”. Para o autor, tudo é passageiro, a vida, o engano, a aflição, no entanto a sua busca trilhada em caminhos tortos fizeram-no entender que a única coisa que resiste contra o tempo e contra a perenidade, é o próprio amor. Se o amor é o prêmio obtido após o trilhar de caminhos tortos, descer ao inferno em busca da poesia faz-se absolutamente justificável.

 



Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.

Idiotas Felizes

  • Autor: J. L. Silva
  • Modelo: P303
  • Disponibilidade: Em estoque
  • R$34,00

Etiquetas: Lampejos