• Mural de nuvens para dias de chuva
GÊNERO:  Poesia
FORMATO: 13X18 | ANO: 2018

PÁGINAS:  64 | Pólen Bold 90g


            “A eternidade é uma deformação da existência”, a esta afirmação Adriana diz, “eu fico lá com minhas raízes de pássaro”. A poesia da autora, quer fazer a brevidade e a fugacidade, eternizarem-se nas palavras, registrando o instante de gozo.

            Feito um bloco de anotações, a poeta aponta os seus sentimentos utilizando de uma didática que exemplifica abstrações na atitude de tornar mais manuseável e concreto as suas emoções, se a autora resolve  dissertar sobre a “Ausência”, o faz trazendo a sensação física e sensível de tal sentimento que é despertado ao se olhar para os móveis da sala “um lençol cobrindo os móveis da sala, impondo o estático, impedindo o sujo e o rasgos do tempo”. Quando a poeta escreve ela procura o amor, mas enxerga em contrapartida, que não é fácil encontrar afago entre o “lamento dos atos”, neste sentido se a escrita tem gana ela é utilizada como meio de se negar o pó levantado na passagem do tempo, ou a fragilidade do amor que escoa, fugaz.         

              Este exterior que reflete o interior é o verdadeiro conteúdo da poesia de Adriana, a autora observa os quartos, o pó levantado pelo tempo, enxerga também, o passarinho, o cachorro abanando o rabo, e escreve, copia para o papel com uma expressividade tamanha aquilo que os seus olhos observam dando novas conotações ao real, representado na poesia por “signos abraçados”.





Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.

Mural de nuvens para dias de chuva

  • R$32,00

Etiquetas: Candeeiro